ciclo de leitura Nhe’ery – Mba’e Kaa

Roteiro para o ciclo de leitura em torno do livro
Mbaé Kaá, o que tem na mata. A botânica nomenclatura indígena
do João Barbosa Rodrigues, Dantes Editora, 2018

Ministrado pela Carlos Papá
4 encontros semanais de 2 horas – 18H – 20H
Primeira turma do ciclo:
Terça-feiras 11, 25/05 e 01/06/2021
Quarta-feira 19/05

Sobre o ciclo:

Nesses diálogos propomos uma aproximação entre o pensamento Guarani, através de sua cosmologia. Nas costeiras à beira mar existem lugares portais onde os guarani sempre procuraram estar próximos em busca de elevação espiritual. Porém alcançar e atravessar esses portais depende de muito preparo e concentração.

Esses portais estão em pontos diferentes da Nhe’ery, a Mata Atlântica. Para os Guarani, a terra é uma só, e em todos os lugares onde há vida, são chamados Yvy Rupa.

LEIA MAIS

1° encontro: Carlos Papá, Ailton Krenak e Fabio Scarano – 11/05

Os seres que habitam a Nhe’ery ( plantas, animais , minerais , seres visíveis e invisíveis).

Assistir: NHEERY, REC.TYTY E OUTROS PULSARES

Leitura: Introdução e capítulo 1. (até pág. 37)

Sobre Ailton Krenak: Ativista, escritor e jornalista, Ailton Krenak é curador do rec•tyty. Vive na aldeia Krenak, às margens do Rio Doce, em Minas Gerais, e é um dos mais destacados líderes indígenas do país. Organizou a Aliança dos Povos da Floresta e ajudou na criação da União das Nações Indígenas (UNI), tendo papel fundamental nas lutas em defesa dos direitos indígenas nos anos 1970 e 1980. Doutor honoris causa pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), é autor de “Ideias para adiar o fim do mundo” e outras obras. Ailton é fundador do Instituto Maracá e, junto com a Dantes Editora, criou o Selvagem Ciclo de Estudos.

Sobre Fabio Scarano: graduou em Engenharia Florestal pela Universidade de Brasília, Brasil, e obteve seu Ph.D. em Ecologia na Universidade de St. Andrews, Escócia. Ele é Professor Associado de Ecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil, desde 1993. Ele é também membro da Sociedade Linneana de Londres (desde 1995). Seu campo de estudo é a questão climática dentro da perspectiva de gaia. Fabio participou do Selvagem Ciclo em 2018 e 2019 e é o autor do livro “Regerantes de Gaia” publicado pela Dantes Editora em 2019.

2° encontro: Carlos Pap’a Cristine Takuá e Saulo Kuaray – 19/05

Como praticar o Teko Porã ( a boa e bela forma de ser e estar no território – Bem Viver) na Nhe’ery hoje?

Teaser: Documentário Teko Rexãi

Vídeo: Pajerama

Leitura:  Pág. 40 até 62

Sobre Saulo Kuaray: Educador e liderança do povo Guarani Mbya, Saulo Guarani é um dos convidados do rec•tyty. Nascido no Rio Grande do Sul, vive atualmente na aldeia Amba Porã, em São Paulo, onde atua como vice-diretor da Escola Estadual Indígena Ko’e Ju. Formado em Pedagogia (USP), atualmente cursa pós-graduação em Neuropsicopedagogia (CENSUPEG). Saulo é representante da região do Vale do Ribeira na Comissão Guarani Yvyrupa [http://www.yvyrupa.org.br].

Sobre Cristine Takuá: Filósofa e educadora, povo maxakali, vive na aldeia do Rio Silveira. Na comunidade do Rio Silveira é professora da Escola Estadual Indígena Txeru Ba’e Kuai’ e também auxilia nos trabalhos espirituais na casa de reza. É também Fundadora e Conselheira do Instituto Maracá . Também é representante do núcleo de educação indígena dentro da Secretaria de Educação de SP e membro fundadora do FAPISP ( Fórum de articulação dos professores indígenas do Estado de SP. Fala no Selvagem 2019 e Caderno Selvagem da Cristine Takuá.

3° encontro: Carlos Papá e Antônio Wera kwaray – 25/05

Vida e resistência na Yvy Rupa.

Filme: A terra é uma só – Yvy Rupa

Leitura: Pág. 63 até 107

Sobre Antônio Wera Kwaray: Liderança nacional da Comissão Guarani Yvyrupa, é cacique da aldeia de Boa Esperança (Tekoá Porã), em Aracruz, norte do Estado do Espírito Santo. Luta há muitos anos pra defender a floresta e os territórios indígenas de sua região.

4° encontro: Carlos Papá e Anderson Santos da Escola de Botânica – 01/06

As plantas que falam.

Leitura: Pág. 108 até 130

Anderson Santos atua como biólogo, botânico, cientista e professor há quase 20 anos. Realiza expedições pelo Brasil, estudando principalmente a flora da Mata Atlântica e Cerrado. Idealizador e fundador da Escola de Botânica, já lecionou para mais de 10.000 estudantes presencialmente. É apresentador do programa de natureza Terra Brasil, transmitido pela TV Cultura, Animal Planet e Amazon Prime Vídeo.

A Escola de Botânica apresenta o conhecimento científico sobre plantas e natureza através de uma linguagem acessível, estimulando a aproximação entre cidadãos e o entendimento dos ciclos e ritmos da natureza. A ciência, o resgate histórico e a arte são os três eixos de ensino fundamentais da Escola, e permitem práticas no dia a dia, tornando o conhecimento aplicável.

—————–

Sobre o Carlos Papá:

Carlos Papá Mirim é um líder e cineasta indígena do povo Guarani Mbya. Trabalha há mais de 20 anos com produções audiovisuais, com o objetivo de fortalecer e valorizar a cultura guarani mbya por meio da realização de documentários, filmes e oficinas culturais para os jovens. Também atua como líder espiritual em sua comunidade. Vive na aldeia do Rio Silveira, onde participa das decisões coletivas e busca ajudar a sua comunidade a encontrar caminhos para viver melhor. É Conselheiro do Instituto Maracá e representante pelo litoral norte de SP da comissão Guarani Yvy rupa (CGY). Fala no Selvagem 2019 e caderno Selvagem do Carlos Papá.

Sobre o livro Mbaé Kaá, o que tem na mata. A botânica nomenclatura indígena:

Falante do tupi antigo, do nheengatu e do guarani, Joao Rodrigues publica Mbaé Kaá, Tapyiyetá Enoyndaua em 1905. A Botânica nomenclatura indígena, uma contundente defesa do conhecimento nativo diante do meio científico. Mesmo dentro do vocabulário da época e das perspectivas do início do século é um livro fundamental para apoiar o reconhecimento da sabedoria indígena no Brasil e no mundo. A Dantes, buscou atualizar essa memória e esticá-la aos dias de hoje, ao epicentro que é o Jaraguá, uma aldeia urbana do povo Guarani em plena cidade de São Paulo. A nova edição do livro foi ilustrada por crianças, jovens e adultos Guarani durante uma oficina em setembro de 2018 na aldeia Pyau. Foram também elaboradas novas notas. A apresentação é assinada por Sergio Besserman e a introdução por Fabio Rubio Scarano.

Sobre o autor João Barbosa Rodrigues:

Nasceu em 1842 durante o Império, no Rio de Janeiro. Foi professor de desenho no Colégio Pedro II, diretor do Museu Botânico do Amazonas, em Manaus, e diretor do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, onde trabalhou até morrer em 1909. Realizou diversas expedições, entre elas uma no vale do Rio Amazonas, de 1872 a 1874, com o objetivo de complementar os estudos sobre palmeiras de von Martius. A pesquisa de campo era tão importante em sua carreira que criou no Jardim Botânico, o cargo de naturalista viajante. Publicou também Sertum Palmarum Brasiliensium, em 1903, uma obra impressionante em dois volumes contendo 389 espécies de palmeiras ilustradas e seus usos descritos.

Mais conversas SELVAGEM com Cristine Takua e Carlos Papa:

NHEERY, REC.TYTY E OUTROS PULSARES

Playlist de conversas do Festival REC TYTY