Skip to main content
Tag

Flechas

Ailton Krenak num jardim em LondresConversasFilmes e Flechas

SERES MAIS QUE HUMANOS E O APRENDER MÚTUO

Aprender a escutar as lições que outros seres mais que humanos podem nos transmitir para curar a nós mesmos e ao planeta, restaurando a saúde ecológica, questionando “visões de mundos ocidentais e necessidades fundamentais” é o tema de Plant Teachers, texto publicado na Where the Leaves Fall, revista que trata da ligação da humanidade com a natureza através da intersecção entre a justiça social e o ambiente, a arte, a ciência, a cultura, a filosofia e a alimentação. O texto de Niellah Arboine nos situa no verão londrino, adornado por “arbustos robustos de sálvia verde-clara, lavanda perfumada e ocasionais papoulas vermelhas curvando-se ao vento” presentes nos jardins regenerados do OmVed Gardens para o simpósio de educação Meeting at the River. Traz trechos de falas de Anna Dantes, Cris Takuá, Carlos Papá, Jeremy Narby e Ailton Krenak.   “Quando absorvemos plantas medicinais, somos convidados a aderir a um tipo de existência diferente. Tudo o que absorvemos também nos absorve, e acredito…
Clarissa Cruz
2 de novembro de 2023
ConversasFilmes e Flechas

ENTRE RIOS E JARDINS: SELVAGEM em Londres

“O brilho se diz, dizendo: Respeite as mulheres, Respeite os homens,  Respeite as crianças,  Respeite os anciãos, Respeite as anciãs Assim é que o nosso criador deixou o ensinamento  E desse jeito devemos viver  E com isso cresceremos e vamos amadurecendo com a saúde e alegria  Somente dessa forma vamos alcançar, conviver E saber um jeito de descobrir o bem viver É isso que eu falo Saúdo as divindades!”   Carlos Papá na abertura da Flecha 7: A fera e a esfera. . Em julho de 2023 o Selvagem pousou em Londres a convite do Meeting at the River para uma semana de encontros, workshops e exibições das Flechas. O intuito era mapear como a educação pode incluir diversas formas de conhecer, criar, resistir e mudar a cultura. A conversa com o público londrino começou antes, em agosto de 2022, quando Carlos Papá abriu em rezo A fera e a esfera, sétima e última Flecha, que foi parte integrante da exposição Our…
Mari Rotili
24 de agosto de 2023
Filmes e Flechas

DOIS MOVIMENTOS NA VILA MARIANA: 7 Flechas na Cinemateca e Sempre um Papo no Sesc

  Lançada em 7 episódios ao longo de 2021 e 2022, em 2023 a série audiovisual Flechas Selvagens tem experimentado voos coletivos. Em 11 de julho, eles foram exibidos em sequência na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, abrindo a programação da Mostra Povos Originários da América Latina. A Mostra fez parte do Festival Cultura e Sustentabilidade: Criatividade para um Mundo Possível, composto por filmes, palestras e debates, numa rica programação que seguiu um recorte curatorial com conteúdos que destacavam as relações entre povos originários e seus territórios. O evento visava conectar as pautas ambientais, sociais e de governança ao setor social, articulando o papel da cultura na promoção de ações que encarem criativamente as urgências globais. Anna Dantes, que assina a direção artística, roteiro e pesquisa das Flechas, esteve presente na abertura da Mostra, que reuniu obras feitas por cineastas indígenas e não indígenas do Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, México e Peru, em uma convergência de criações que trabalham…
Mari Rotili
11 de agosto de 2023
Cadernos e LivrosFilmes e Flechas

ECOLOGIAS E PRÁTICAS DO CUIDADO: Per(cursos) Selvagens no grupo FOZ

O Selvagem, ciclo de estudos sobre a vida promove estudos e disponibiliza materiais que articulam e ecoam conhecimentos indígenas e tradicionais em diálogo com diversas perspectivas: científicas, artísticas, acadêmicas e de outras espécies, para citar algumas. Esses materiais irradiam, atravessam esferas e passam a compor o estudos de outros coletivos que procuram pensar as intersecções de saberes em ação no mundo.    Um exemplo dessa inspiração foi compartilhado pelo psicólogo e mestre em psicologia clínica Luas Szemere, que atua na coordenação do Grupo FOZ, um coletivo autogerido de pesquisa e formação em práticas do cuidado. FOZ oferece formações, intervenções, cursos, grupos de estudos e oficinas e se inspira na noção de foz, o ponto em que o rio se lança ao mar ou noutro rio; um encontro e enlace entre percursos de água, assim como os encontros de saberes se quer provocar.    Um dos núcleos oferecidos pelo grupo é o Núcleo Ecologias. Dentre os materiais utilizados por esse coletivo…
Mari Rotili
23 de junho de 2023
Artes e DesenhosFilmes e Flechas

RECIFE TAMBÉM É SELVAGEM

Eu lembro bem do que senti quando assisti a primeira Flecha Selvagem, no dia do lançamento, em maio de 2021. Fiquei tomada por um desejo de que todo mundo visse aquilo, que todo mundo acessasse e sentisse a esperança e nutrição que meu corpo experienciou enquanto via aquela compostagem de imagens envolvida pelo texto fluido de Anna Dantes sendo narrado pela voz de Ailton Krenak. Fiquei em estado de contemplação. O vídeo me trouxe também uma certa nostalgia dos tempos em que eu aprendia me divertindo ao assistir os programas da TV Cultura - não me pergunte o porquê, essa foi a sensação que me deu enquanto meus olhos se emocionavam. Depois, ao saber de cada nova Flecha a ser lançada, eu ficava com uma euforia da certeza dos sentimentos bons que elas me trariam naqueles tempos pandêmicos, tão incertos e solitários.      Quando o isolamento foi flexibilizado, voltei para meu campo de atuação. Dou aulas e, além de partilhar…
Mari Rotili
13 de junho de 2023
Artes e DesenhosFilmes e Flechas

AS FLECHAS, O CHÁ E AS PEDRAS

“O centro de Gaia é composto em grande parte por magnetita, um mineral que o transforma em um ímã gigante. As espécies migratórias possuem fragmentos de magnetita em seus corpos que lhes permitem sentir o campo geomagnético para criar rotas para locais mais adequados para sua sobrevivência e retorno ao ponto de partida. A magnetotaxia os torna sua própria bússola. A espécie humana possui fragmentos de cristais de magnetita em seu corpo, mas como não estão ligados ao sistema nervoso, não configuram um sentido. Temos em nossos corpos um fóssil do centro da terra que está relacionado a outras espécies migratórias, mas não sabemos para onde ir ou como voltar.”  No dia 17 de maio as Flechas Selvagem estiveram acompanhadas das Magnetitas da artista Tau Luna Costa e da Planta do Chá, em cerimônia guiada por Daniela Ruiz, em seu projeto Mediteation. O encontro foi parte do ciclo de ativações da exposição “El tiempo como las piedras” na Galeria Tangent,…
Mari Rotili
7 de junho de 2023
Filmes e Flechas

FLECHAS SELVAGENS NA REVISTA WTLF (UK)

As Flechas Selvagens levam suas ideias até outros continentes, atravessam o mar para atingirem os corpos e os modos de pensar. A revista britânica Where the Leaves Fall tem publicação semestral com um escopo que explora a interação entre a humanidade e a natureza. Na edição Nº 11 a revista contou com um artigo escrito por Anna Souter que contextualiza o pensamento de Ailton Krenak e a produção desse material audiovisual que encanta e mobiliza outras consciências. De acordo com Anna Souter, “Os filmes não são apenas veículos de beleza e tranquilidade; eles buscam causar impacto e despertar uma reflexão profunda”. Desse modo, ela enfatiza a capacidade que o projeto tem de deslocar perspectivas e apresentar a riqueza cultural dos povos indígenas para aqueles que estão distantes desse modo de ver e de se relacionar com a vida e com os seres viventes. O artigo completo pode ser encontrado em: https://wheretheleavesfall.com/explore/article-index/wild-arrows/  Texto por Ana Otero
Mari Rotili
13 de maio de 2023
Artes e DesenhosCadernos e LivrosCantosCiclo SelvagemFilmes e FlechasUniversidades

CANTAR COM O QUE ATRAVESSA: Cadernos e Flechas Selvagens em experimentos vocais

Pytun Jerá – O Desabrochar da Noite é um Caderno Selvagem preparado a partir da fala que Carlos Papá fez na roda de conversas Céu, durante o Selvagem, ciclo de estudos sobre a vida no Teatro do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, em 14 de novembro de 2019.    Em 2023, estudantes de Expressão Vocal de 3ª fase do curso de graduação em Artes Cênicas da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), em Florianópolis, têm mergulhado nas páginas e entrelinhas dos Cadernos e experimentado no corpo as ativações contidas ali.    O entendimento do escuro como fonte da criação de vida atraiu a atenção e conduziu as investigações cênicas do grupo. Ive Luna, professora da disciplina, conta que a leitura conjunta de Pytun Jerá encantou a turma e gerou muita conversa. Na aula seguinte ela projetou o caderno Desligue as Luzes e Escute nas paredes da sala. Com desenhos realizados pela artista Zoé Dubus durante o Ciclo dos…
Mari Rotili
6 de maio de 2023
Filmes e Flechas

NHANDE MARANDU, MENSAGENS DA FLORESTA NO MUSEU DO AMANHÃ

Se pensarmos no futuro pautados em uma única narrativa, em um tempo linear, somos lançados a um amanhã cada vez mais distante; fixados à ideia de ‘produzir’ o amanhã, perdemos o tempo presente. E se, como sugere Ailton Krenak em Futuro Ancestral (Companhia das Letras, 2022), fôssemos capazes de sustentar uma postura de abertura, de acolher a inovação que chega junto a cada nova criança, a cada recém-chegado em Gaia e abríssemos espaço para que se criem relações entre múltiplas experiências de tempo e formas de vida?    Para fazer circular diversas narrativas sobre a vida, o Laboratório de Atividades do Amanhã (LAA) promoveu a exposição NHANDE MARANDU: Uma História de Etnomídia Indigena. A exposição acontece no Museu  do Amanhã, no Rio de Janeiro, com abertura em 11 de novembro de 2022 e encerramento em 30 de abril de 2023. Esta é uma oportunidade de transmitir mensagens que nascem de lugares de afetação com a vida - experimentada em toda…
Mari Rotili
29 de abril de 2023
Filmes e Flechas

NAVE EXPANCINE, UMA VAN FLECHEIRA

Na virada de 2022 para 2023, entre os dias 27 de dezembro e 03 de janeiro, aconteceu na Praia de Pratigi, na Bahia, a 16ª edição do Festival Universo Paralello, que contou com uma caleidoscópica variedade de apresentações musicais, culturais e artísticas.    A "Ancestralidade" foi o tema dessa edição, uma escolha que conflui com as mensagens das Flechas Selvagens e com os movimentos de valorização da cultura e dos povos originários da América do Sul.    Foram 8 dias de imersão, sem internet, num convite ao mergulho em experiências sensoriais e múltiplas trocas entre pessoas de diferentes lugares do mundo.    A Nave Expancine saiu do sul do Brasil e seguiu para o nordeste com as Flechas Selvagens na bagagem. Elas compuseram a programação artística e foram projetadas pela van conduzida por Thais Alemany, produtora cultural e criadora da Expancine Produções. A van é uma base criativa itinerante com autossuficiência energética, idealizada e realizada por Thais.    Foi através…
Ana Otero
31 de março de 2023